Home > Carreira Profissional > Os novos mercados para os Arquitetos

Os novos mercados para os Arquitetos

Loft in London Virtual Tour – exemplo de uso da Unreal Engine 4

Novas tecnologias abrem novos mercados para os Arquitetos

Não é a toa que há mais de 2 anos venho falado sobre o futuro da arquitetura, principalmente sobre os novos mercados para os arquitetos que estão surgindo, fruto da intensa onda tecnológica que vivemos e demanda de produtividade e rapidez.

De acordo com o site: ARCHIPRENEUR, foram descritos 5 pilares os quais, na Aarquiteta, são sempre citados e referenciados nos cursos que temos em nossa loja, como Revit, UNREAL, Realidade Aumentada e outros.

Segue abaixo, uma descrição sobre eles:

1. Especialista em BIM

Existem programas como o REVIT e o ARCHICAD que foram desenvolvidos especificamente para a Modelagem de Informação da Construção (BIM), possibilitando que os profissionais de projeto e construção levem suas ideias da concepção até a elaboração, com uma abordagem por modelos coordenada e consistente.

O sistema de modelagem da informação engloba o ciclo da construção de forma a ter controle sobre todas as etapas da vida util do projeto.

NO PROJETO: Visualização antecipada do projeto, permitindo visualização de plantas em 2D simultaneamente com o 3D.
NA SEGURANÇA e MANUTENÇÃO: No momento da manutenção, antes de se quebrar qualquer parede ou perder tempo tentando descobrir a localização de um duto, pois a informação está lançada no BIM;
NO PLANEJAMENTO: Compatibilidade de peças antes da chegada do material à obra, evitando retrabalhos e desperdícios de mão de obra e de material geralmente oriundos da falta de planejamento;
NO TEMPO: Aumento considerável da produtividade, com menos tempo na elaboração de desenhos e mais tempo disponível para o projeto em si;
NA COORDENAÇÃO: Coordenação dos projetos com a possibilidade de integrar e tornar o processo mais eficiente;
NOS CUSTOS: As estimativas de custo ficam mais precisas, diminuindo também os riscos e desperdícios;
NO CONTROLE: Orientar a programação fina da obra e na realização de tarefas, permitindo visualizar interferências de elementos no canteiro;
EM OUTROS: Uma nova ferramenta de marketing para o profissional e a possibilidade de oferecimento de novos serviços para o cliente.

2. Tecnólogo em projeção digital

Com as novas tecnologias de impressão 3D, com impressoras cada vez mais acessíveis e baratas, o maquetista tradicional se transforma, podendo assim, em um escritório de arquitetura normal, gerar impressões 3Ds dos projetos que estão sendo desenvolvidos para um cliente. A percepção fisica da maquete, criada de uma maneira rápida e dinâmica, pode ajudar nos processos do projeto e fazer uma diferença notável na concorrência.

 

3. Gerente de mídias sociais

A maioria dos escritórios já contam com as mídias sociais para a comunicação de suas ideias e marcas, além de integrar o feedback do usuário a projetos futuros. Escolher as melhores plataformas, formar comunidades e manusear várias contas de mídia social são as principais responsabilidades dos potenciais gerentes de mídias sociais.

Grandes escritórios, construtoras e negócios ligados ao mercado da construção civil precisam criar conteúdo de valor para divulgar sua marca e negócio. Ninguém melhor que um arquiteto, que entende do assunto para cuidar desse tipo de conteúdo.

É o que fazemos, com a página da AARQUITETA. Estamos chegando a quase 200.000 fãs e juntamente com o BLOG, Youtube e Instagram criamos audiência para nosso negócio. Entendemos e provamos que, trabalhar com as midias digitais corretamente pode promover crescimento e longevidade ao nosso negócio. Gostaria de aprender mais sobre? Clique e conheça a Camila Porto.

4. Profissional de visualização arquitetônica 3D

Já é um mercado relativamante antigo, porém, nunca veio com tanta força, graças aos computadores mais potentes e baratos. As imagens ultra realistas, geralmente criadas no ambiente do 3dsmax e V-RAY,  são usadas principalmente para venda de empreendimentos na planta, mostrar variados tipos de acabamentos e materiais, criar showroom de mobiliário, substituindo as fotos, entre muitas outras finalidades.Não é necessário ser formado em arquitetura, mas normalmente os empregos exigem conhecimento arquitetônico.

banheiro-parede-inox

EXEMPLO DE USO: 3DSMAX COM V-RAY PARA IMAGENS FOTORREALISTAS

 

5. Designer gráfico de animação e interação 3D 

Hoje em dia, para se destacar no mercado, além da criação das imagens 3D, utiliza-se dois programas que foram criados para dar mais vida e interatividade aos projetos. Um deles é o LUMION. Este programa cria passeios virtuais dos projetos em minutos, assim, mais informações do projeto são apresentadas, além de sair da cena estática dos renders normais.

E temos também a UNREAL ENGINE 4 . Ela é usada, principalmente, para a criação de jogos para diversos sistemas. Porém, como um jogo, é possível criar cenários complexos em 3D para fins arquitêtonicos, com inúmeras vantagens. O usuário pode livremente passear pelo projeto (diferente do Lumion que apenas lhe deixa contemplar um vídeo), além de gerar inúmeras ações de interatividade em tempo real como troca de acabamentos, pisos, paredes, objetos, inserir em tempo real músicas, anúncios numa TV em 3D modelada no projeto ou até compra de mobiliário dentro do ambiente Unreal.

LUMION:

 

UNREAL:

O que achou do artigo?

Comente e escreva em quais áreas você acha que os arquitetos poderão trabalhar, em breve, com as novas tecnologias.

 

1 Resposta

  1. Leonel Ferreira

    Realmente houve muitas mudanças nos últimos anos, e ainda com certeza haverá muitas outras mais.
    Eu senti na pele estas mudanças, sou da época em que o Autocad estava se iniciando e era difícil e chato utilizar, onde todos os trabalhos iniciais e apresentações ao cliente eram feitos em papel manteiga e os projetos finalizados em papel vegetal (os erros eram raspados com cuidado com gilete) ou poliéster (podia apagar os erros com borracha para tinta facilmente) e canetas de tinta nanquim em diversas espessuras e normografados com aranha e réguas de letras.
    Tinha que ter dom para o desenho, aprendia-se desenho artístico, manusear lápis de diversos tipos, a trabalhar com aquarela, perspectiva com um e dois pontos e também desenho técnico.
    Hoje não se ensina mais nada disto, a tecnologia veio para simplificar mas também acabou com a satisfação e beleza de fazer tudo manualmente, embora o dom artístico ainda continue presente.
    Fui obrigado a me adaptar ao novo tempo, como não se usa mais máquina de escrever e tão pouco ter de aprender datilografia que era fundamental para obter emprego, hoje é tão necessário a se reciclar, não apenas em uma área mas também em todas as outras áreas, para não ficar fora do mercado de trabalho.
    Vivemos em uma época onde tudo muda muito rápido, se não pudermos acompanhar estas mudanças que tendem sempre acontecer e muito menos não estarmos preparados, certamente estaremos extintos para o trabalho como estão extintos os dinossauros atualmente.

Deixe um Comentário