Home > Carreira Profissional > Como desenvolver pranchas síntese para o seu TCC

Como desenvolver pranchas síntese para o seu TCC

///
Comments are Off

Além da monografia, os professores costumam pedir também para a apresentação à banca examinadora, a prancha síntese com alguns dos mapas que fazem parte da monografia, com o resumo dos levantamentos e estudos.

Vimos em um dos artigos anteriores alguns dos mapas que os professores costumam pedir para estudarmos o lote, tanto nas suas características particulares como nas urbanistas.

No mapa abaixo em específico foram inseridas imagens do local e o mapa geral com algumas referências urbanísticas de impacto no tema, que no caso é a estação de trem, além dos estudos do uso do solo abordados no artigo anterior sobre este tema.

Um pequeno texto apresenta a problemática do local e os diagnósticos levantados e a inserção urbana da proposta do edifício tema do seu projeto.

Veja então o resultado final da apresentação na prancha de inserção urbana:

Além dos mapas de estudo da localização do lote, existe também um mapa chamado de setorização. Nesse mapa são analisados os fluxos, programa e partido arquitetônico de um dos estudos de caso estudados.

Os acessos e a circulação vertical e horizontal também são os itens mais observados no projeto. No mapa de setorização pode-se notar com mais clareza.

A setorização dos ambientes ajuda muito no entendimento do programa arquitetônico dos estudos de caso que você geralmente deve fazer:

Conceituação do Projeto para prancha síntese

Além dos itens anteriores, o partido e o programa arquitetônico são questões muito abordadas na apresentação do seu TCC. Procure conhecer bem seu projeto e ter na ponta da língua respostas sobre essas perguntas.

No caso de você não saber:

O partido arquitetônico é o conceito, a ideia subjacente ao seu desenho, é a solução que você adotou para a execução do seu projeto.

O conceito é algo abstrato que vai permear toda decisão de projeto, é uma espécie de pauta para dar coerência ao conjunto.

Partido é a informação mais pura de como esta arquitetura vai acontecer.

Já o programa arquitetônico é o roteiro do seu projeto, nele devem constar os ambientes a serem projetados. Também pode ser chamado de programa de necessidades.

Conhecer o que diz o código de obras do local também é importante, pois ele dirá a você o que pode ou não ser edificado ali. O seu professor orientador lhe dirá o que você deve ou não adotar estes índices para a inserção na prancha síntese.

Lembre-se que o TCC é uma simulação de um projeto real, portanto você deverá se preocupar com cada detalhe como se corresse um risco real de sua obra ser embargada por inconsistência ou ainda desobediência às normas técnicas, causando em seu cliente sérios desapontamentos com sua irresponsabilidade de pesquisa e projeto.

É seu trabalho buscar as informações e se certificar que elas sejam observadas.

Desenhos sobre o seu projeto final entram nessa prancha com as informações básicas sobre a volumetria, simetria, circulação fluxo.

Os professores gostam de desenhos que mostrem a evolução do seu trabalho, como ele iniciou e como ele terminou.

Ferramentas e formas de apresentação para prancha síntese

Quando desenvolvi esse projeto os tempos eram outros e com os recurso que temos atualmente, a apresentação teria sido bem diferente. A prancha de volumetria é o mínimo que os alunos devem apresentar na prancha síntese nos dias de hoje, já que os professores pedem muito mais que isso.

Com o tempo e com o seu aprimoramento você vai percebendo sua evolução ao olhar seus trabalhos antigos!

Vai bater um leve constrangimento natural, mas isso é ótimo, pois se você não olhar para traz e não notar sua evolução, é porque tem alguma coisa errada aí: Você provavelmente parou no tempo! Fique atento!

Além de um bom projeto e ter domínio sobre ele, você vai precisar de ferramentas para fazer e causar uma boa apresentação.

Uma boa apresentação vai além das ferramentas adotadas.

Um bom projeto com uma boa apresentação pode resultar em uma melhor compreensão da sua ideia e consequentemente uma melhor avaliação do seu trabalho, mas um mau projeto, mesmo você se utilizando de ótimas ferramentas de apresentação, não vai agregar muito valor ao seu trabalho. Sendo assim ela não poderá fazer milagres em sua nota final.

Conteúdo é tudo, a apresentação melhora o que pode ser ainda melhorado, mas não agrega valor nenhum a um trabalho fraco ou inconsistente.

Em minha época eu não tinha o conhecimento das ferramentas que temos hoje. Com isso realizei uma apresentação simples, porém funcional ,da volumetria do projeto. Veja na prancha de apresentação a seguir:

Hoje em dia temos várias ferramentas de representação 2D e 3D muito mais avançadas, de maior facilidade de manuseio e com boa qualidade de apresentação.

O AutoCAD que a imensa maioria já conhece ou pelo menos já ouviu falar, é um dos programas pioneiros que veio ser prontamente adotado pelo campo da arquitetura no que se refere a questão de representação gráfica.

Com ele transferimos o que originalmente desenvolvíamos na prancheta, só que agora para a tela do computador.

Foi um grande salto de tecnologia, a primeira quebra de paradigma, um grande avançado para a época quando o assunto era obter somente mais agilidade e praticidade na execução dos desenhos, já que fazia-se tudo manualmente com ajuda do grafite, das canetas nanquim e dos papeis manteiga ou vegetal.

Apesar desse avanço e das facilidades que o AutoCAD nos trouxe, ainda ficou em aberto uma grande lacuna de necessidades em que ele infelizmente deixava a desejar.

Posteriormente, com o advento do BIM finalmente preencheu-se essa lacuna e a arquitetura finalmente pode contar com programas de alta tecnologia, com automatização de tarefas e maior controle das etapas da construção civil, tudo interligado a um incrível banco de dados.

E nos vemos assim novamente, à beira de quebrar um novo paradigma!

A diferença entre a representação pura e simples para a parametrização de desenhos é justamente o que já está virando o mundo da arquitetura de cabeça para baixo.

Quem não der esse salto tecnológico perderá e muito boas oportunidades de se encaixar no mercado profissional.

Para o seu TCC ou para sua vida profissional, eu e a grande maioria dos profissionais ativos em nossa área, aconselhamos que você dê esse salto tecnológico, independente de abandonar os programas de representação pura.

Entre também para o mundo BIM, seu TCC agradece!

Em um outro artigo falarei como está atualmente o nível de apresentação de TCC nas faculdades.