Abóbadas são elementos arquitetônicos, um dos mais antigos e utilizados da história.

As abóbadas fazem parte da história da Arquitetura, no entanto, algumas pessoas não conhecem esse termo.

Se você ficou interessado em saber mais sobre projetos que utilizam abóbadas, confira neste artigo em que momento da história as abóbadas foram introduzidas na arquitetura e os diferentes tipos de abóbodas que você pode encontrar pelo mundo!

———— PUBLICIDADE ————

O que são abóbadas?

 

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Capilla de San Blas – Imagem: Pinterest

O termo abóbada vem do latim: volvita, que significa algo revirado ou curvado, e seu significado é fazer girar, rodar ou rolar.

———— PUBLICIDADE ————

As abóbadas fazem parte de uma categoria de cobertura com estruturas em curva apoiadas por paredes e pilares.

O desafio de construí-los foi um dos fatores que impulsionaram o desenvolvimento da arquitetura ocidental. Frequente são encontradas em igrejas, templos, catedrais, galerias subterrâneas e prédios públicos mais antigos.

———— PUBLICIDADE ————

Um pouco sobre a história das abóbodas:

 

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Catedral de Santa Maria – Toledo, Espanha – Imagem: Pinterest

Acredita-se que as primeiras abóbadas foram construídas durante o período Neolítico, aproximadamente 6.000 AC, onde hoje está localizado o Chile, a esse tipo de cobertura damos o nome de arquitetura vernacular.

———— PUBLICIDADE ————

– Arquitetura vernacular:

 

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Muito comum na era pré-industrial, a arquitetura vernacular, possui uma reputação especial devido o seu apelo sustentavel, pois os seus métodos de construção são muitas vezes completamente adaptados ao seu entorno.

A arquitetura vernacular, caracterizada pelo uso e conhecimento cultural local, são construídas sem a ajuda de profissionais. Essa categoria de construução, assim como  também palafitas, barracos, casas de pau a pique e adovem, utilizam dos recursos de abóbadas, especialmente em edifícios de adobe.

No Brasil podemos citar as ocas, típicas habitações indígenas que também possuem formato arqueado.

Outro bom exemplo de sustentabilidade é o oco indígena, as demais construções, como palafitas e barracos, embora não totalmente sustentáveis, se encaixam muito bem na definição de Frank Lloyd Wright:

“Arquitetura popular desenvolvida para atender necessidades práticas, adaptada ao ambiente por pessoas que não sabem se adaptar a ele. ”

– Arquitetura Romana:

 

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Aquedudo de Segóvia. Roma- Itália. Imagem: Pinterest

Na arquitetura romana, a abóbada foi  introduzida na construção civil no século II aC. Os romanos aprenderam a construir abóbadas com os etruscos, que os construíam antes de serem conquistados pelos gregos, celtas e romanos.

A arquitetura romana utilizava uma espécie de cimento produzido a partir de diferentes materiais, o que ajudava a proporcionar solidez às paredes da época.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

O que fez com que as abóbadas e arcos fossem mais utilizados na construção civil, tanto no interior como no exterior dos edifícios.

A civilização romana conseguiu criar grandes espaços abertos sem ter que usar muitas colunas, um dos grandes desafios para época, o que foi alcançado graças a utilização em conjunto desses dois elementos.

– Arquitetura Bizantina:

 

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Catedral de Santa Sofia, – Imagem: Pinterest

Durante a era bizantina, (idade média) a arquitetura floresceu devido ao surgimento de novas técnicas de engenharia e construção.

Os edifícios romanos usavam cúpulas, mas os bizantinos as inovaram com diferentes maneiras de usá-las na arquitetura.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Vitrais, icones, moisaicos, pinrturas sacras e cúpulas passaram a fazer parte da arquitetura neste periodo.

Antes disso, cúpulas, arcos e abóbadas só eram usados ​​em edifícios com paredes circulares, como o Panteão de Roma.

A Catedral de Santa Sofia, localizada na atual Turquia, era uma catedral que usava abóbadas de uma maneira diferente, fazendo combinações de arcos das cúpulas.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

A cúpula pendente é uma forma de telhado criada usando arcos em forma de cúpula em planos em forma de quadrado.

Esta foi a primeira vez no mundo e tornou possível o uso de cúpulas em salas grandes e quadradas.

Quais são os tipos de abóbadas?

Encontrada pode ser facilmente encontrada na arquitetura clássica, moderna e contemporânea, existem alguns tipos de abóbadas, a saber quais são:

1 — Abóbadas de berço ou de canhão, aresta e nervurada:

 

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

As abóbadas podem ser classificadas como de berço, aresta, e nervurada, o que as difere uma da outra é a maneira como elas se apoiam, podendo então ser apoiadas em paredes, pilares e colunas.

O semicírculo do teto apoiado nas paredes é chamada de abóbada de berço. Esse tipo de estrutura, causa um inconveniente, já que ele adiciona um peso significativo a estrutura na totalidade, além de diminuir a quantidade de luz no interior do espaço.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Arco de Tito / Imperador  82DC – Imperador Domiciano: Archdaily

Existe outro tipo de abóbada chamada abóbada de aresta, sendo também um semicírculo, porém maior e mais largo e se estende além das paredes.

A vantagem desta estrutura em relação a anterior é que ela é mais leve e fornece mais iluminação ao espaço.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Panteão Romano / Imperador Adriano Imagem: Archdaily

Um dos clássicos exemplos de abóbadas romanas mais conhecidas é o Panteão de Roma e o  Arco de Tito na Itália, os quais tive o prazer de conhecer!

O Panteão de Roma é uma das arquiteturas romanas que usavam abóbadas.

Já as abóbadas nervuradas foram amplamente utilizadas nas catedrais góticas, buscando uma conexão com o céu através da engenharia vertical.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Este elemento, juntamente com o arco pontiagudo, contribuiu para a verticalização da catedral gótica, que também tinha arcobotantes no exterior, com uma estrutura forte e alta.

2 — Abóbadas geodésicas:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Pavilhão norte-americano da Exposição Mundial de 1967 – Imagem: Cédric THÉVENET

Uma cúpula geodésica, também conhecida como cúpula ou abóbada, pode ser definida simplesmente como uma estrutura que consiste em uma rede de polígonos, geralmente triângulos, que formam uma esfera ou parte dela.

Podem ser encontrados em diversos tamanhos e construído com diferentes técnicas e materiais, desde ocas indígenas de madeira até enormes cúpulas de aço concreto em grandes estádios, templos e prédios em todo mundo.

Frequentemente associadas ao celestial, transcendente ou sagrado, as cúpulas aparecem em edifícios que abordam a espiritualidade humana, como as igrejas, templos e mausoléus. As abóbadas foram abraçadas pela arquitetura de modo geral,  incluindo edifícios governamentais e palácios.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Exemplo de construção Geodésica moderna: glamping sulle Alpi svizzere

Com o surgimento de novos materiais e técnicas construtivas na era industrial moderna, a abóbada geodésica, possui uma vantagem única, a capacidade de cobrir grandes áreas de maneira mais eficiente, sem a necessidade de projetar colunas.

Criada e desenvolvida pelo arquiteto e inventor americano Richard Buckminster Fuller por volta  do ano de 1940, é considerado o pai do domo geodésico, seu objetivo na criação era melhorar a condição humana tendo base  conceitos de sinergia e maximização dinâmica.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Epcot Center – Imagem: Katie Rommel-Esham

Precursor nos conceitos de arquitetura sustentável de baixo impacto ambiental, de construção rápida e limpa, devido ao seu formato reflexivo da incidência solar, é de fácil climatização.

Sua maior vantagem é a possibilidade de se criar espaços sem pilares ou colunas, e apesar de ser uma estrutura leve, os arcos geodésicos se mostraram ser muito resistentes as fortes intempéries, incluindo terremos, ventos fortes e até mesmo neve.

A invenção de Fuller foi utilizada nos mais variados propósitos, desde estufas até planetários astronômicos.

Seu primeiro grande projeto foi  Pavilhão norte-americano da Exposição Mundial de 1967 – Imagem por Cédric THÉVENET.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem por Parc Jean-Drapeau

Comparada às estruturas tradicionais, as abóbadas geodésicas possuem muitas superfícies de interseção, por isso a impermeabilização requer mais cuidados, pois tanto as superfícies quanto suas juntas devem receber manutenção frequente.

São estruturas fáceis de montar, o que gera economia de mão de obra e de material.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Outro ponto que deve ser considerado ao se optar por uma abóbada geodésica é a dificuldade de se encontrar: portas e janelas, que devem ser feitas especialmente sob medida, o que pode causar aumento de custos no projeto justamente por não possuírem um padrão de mercado.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

O formato de cobertura circular reduz a altura livre, (pé-direito)  em torno das paredes exteriores a construção, reduzindo a área útil a ser ocupada.

3 — Abóbadas de ogivas:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Um arco ogival é um elemento estrutural formado por duas partes iguais de um círculo que se encontram em um ponto equidistante do centro, formando um ângulo agudo.

Representado pela arquitetura gótica, o arco pontiagudo substituiu o arco de volta perfeita comumente usado na arquitetura românica. As abóbadas ogivas também possuem formatos em curvas com arcos arredondados porém pontiagudos.

As ogivas são amplamente utilizadas em projetos de arquitetura e engenharia civil devido ao seu apelo estético, eficiência estrutural e durabilidade.

Na engenharia civil, as ogivas são usadas para cobrir estradas, criar túneis para transporte de trens e construir pontes.

Muito utilizada na arquitetura gótica, os arcos ogivais são presenças marcantes tanto na estrutura como nos vitrais.

Na arquitetura foram amplamente adotadas na construção de templos religiosos, já que seus arcos pontiagudos referem a proximidade aos céus.

A catedral de Note Dame de Paris é um exemplo de projeto gótico emblemático na arquitetura:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Catedral Note Drome – Imagem: Pinterest

As ogivas apresentam diversas vantagens em relação a outros tipos de estruturas como placas e arcos, eles são mais rápidos, mais baratos e mais duráveis.

As bases de uma abóbada ogival são geralmente retangulares, pois as formas retangulares podem ser repetidas em toda a estrutura sem conflitos com as superfícies curvas acima ou abaixo dela.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Catedral de Sevilha, na Espanha Imagem: Pinterest

Na arquitetura, os engenheiros usam ogivas com muita frequência devido à sua eficiência estrutural, tornando os edifícios menos suscetíveis ao colapso e desabamento devido ao seu peso proprio da estritura.

As abóbodas ogivais possuem um apelo estético diferenciado para a época e possuem baixa manutenção, eliminando a necessidade de se utilizar outros métodos tradicionais de construção envolvendo.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Seu sistema de placas , garam um baixo custo em sua elaboração, pois não há necessidade de realizar fundações ou ainda utilizar materiais de reforço em sua fundação.

A conclusão de um  projeto com abóbolas ogivais é mais rápida, pois não há necessidade de utilização de equipamentos pesados ​​para os métodos tradicionais de construção.

As ogivas empregam formas curvas complexas por baixo delas que criam vãos estáveis ​​sobre os espaços, uma vez que as formas curvas se repetem por todo o vão , sem causar conflitos com outros elementos acima ou abaixo dela.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Catedral de Colônia, na Alemanha Imagem: Pinterest

Com o tempo, uma abóbada de ogiva pode falhar devido à degradação relacionada à idade causada por condições de clima frio, ciclos de congelamento e degelo causando expansão e contração dentro da abóbada que danifica suas pedras abaixo causando rachaduras em sua superfície curva.

A arquitetura gótica introduziu a abóbada nervurada, uma variação da abóbada de cumeeira. Seu peso é suportado por nervuras diagonais, que descarregam a estrutura em pilares próximos.

Nas catedrais góticas, as abóbadas com nervuras eram amplamente utilizadas, pois a catedral queria se conectar com o céu através de suas estruturas verticais.

Os arcos pontiagudos e este elemento trabalharam juntos para tornar vertical o exterior das catedrais góticas, usando arcobotantes para criar um edifício forte e alto.

As abóbadas precisavam de menos pilares e cobriam mais a nave com arcos mais fortes.

4 — Abóbadas de claustro:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Uma abóbada de claustro é uma abóbada resultante da interseção de duas abóbadas de berço cruzando-se em um ângulo reto.

A interseção de uma abóbada de claustro com um plano horizontal é um quadrado. Este fato pode ser usado para encontrar o volume de uma abóbada utilizando o método de corte pelo cálculo integral. Encontrar o volume por este método geralmente é um exercício para os estudantes do primeiro período de cálculo.

Assumindo que a interseção entre as abóbadas de berço é semi-cilíndrica, o volume da abóboda é 1/3 s³,  em que s é o comprimento do lado da base quadrada.

5 — Abóbadas de combados:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

A abóbada de combados consiste num tipo específico de abobada. De perfil muito rebaixado e cujos nervos secundários se dispõem como grandes pétalas numa flor.

Até 1520 são raros os exemplos desta técnica na Península Ibérica.

Os autores dividem-se quanto à data de introdução da abóbada de combados em Portugal. Pedro Dias defende que o mais antigo exemplar é o da cabeceira da Sé de Braga, de 1509, da autoria de João de Castilho.

Contudo, há autores que datam a abóbada da cabeceira da Igreja de Jesus de Setúbal na última década do século XV, atribuindo-a a Diogo Boitaca que aí teria trabalhado nessa altura.

A abóbada pelo mundo:

Nos edifícios de adobe, a arquitetura vernacularas  abóbadas são utilizadas com muita frequência.

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Pinterest

Na arquitetura moderna e contemporânea, existem abóbadas utilizadas na construção de edifícios, um dos elementos de design marcantes que podem ser visto em muitos edifícios.

Norman Foster projetou o Reichstag Dome, uma das cúpulas mais famosas do mundo:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem por Christian Beier

Oscar Niemeyer é conhecido por seu trabalho na Igreja da Pampulha no Brasil:

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Foto: Reprodução/Mineiros na Estrada

E na Oca no Parque do Ibirapuera., uma das obras abobadadas mais conhecidas de todos os tempos!

Abóbadas - O que são e quais os seus tipos?
Imagem: Reprodução/ Bruno Vaz/Veja-SP

 

ATENÇÃO:  Referencias em Arquitetura Comentada de Carol Strickland (Autor):

Conteúdo criado com caráter informativo para público em geral, para trabalhos acadêmicos consulte sempre referencias bibliográficas de autores renomados ou indicadas por seus professores ou orientadores.

Imagens e Projetos não autorais, sendo todos os direitos reservados aos seus respectivos produtores.

Sugestão de aplicação e utilização dos produtos ou livros, apenas por recomendação por similaridade, sendo a venda e entrega dos mesmos de total responsabilidade do site distribuidor.

E aí, gostou do artigo sobre Abóbadas – O que são e quais os seus tipos?

Então, deslize, a tela para baixo e confira mais dicas como estas e não se esqueça de compartilhar com os amigos!

Buscando por itens ou artigos para casa, decoração e reforma? Confira nosso grupão de descontos no Telegram ou no Whatsapp!

Contudo se você deseja receber ofertas de treinamentos e cursos para as áreas da Arquitetura, Design de Interiores, convido você a participar também deste grupo no Telegram ou no  WhatsApp.

Agora, se quiser mais artigos com dicas sobre o mundo da Arquitetura e Decoração, então confira alguns dos nossos artigos em:

Espero que este artigo tenha ajudado você! Então deslize a tela para baixo e confira mais dicas como esta e não se esqueça de compartilhar com os amigos! Conheça e se inscreva para receber dicas em nosso Facebook e em nosso canal do YouTube. Quer mais dicas sobre o mundo da arquitetura e Decoração, então confira alguns dos nossos artigos em:
Luciana Paixão
Luciana Paixãohttps://www.aarquiteta.com.br
Luciana Paixão, arquiteta e instrutora renomada, autora do "Guia Abrangente para Aprovação de Projetos de Prefeituras", é reconhecida desde 2013 no campo da arquitetura. Destacada como Mente Influente pela Revista "Negócios da Comunicação" e premiada por seu trabalho em mídias sociais, Luciana acumula mais de 400.000 seguidores, consolidando sua posição de liderança no setor.
pacote formação engenharia