Por que o campo da arquitetura precisa de um novo modelo de negócios?

Por que o campo da arquitetura precisa de um novo modelo de negócios?

modelos negocios arquitetura

Uma manchete recente do tabloide britânico Express dizia: “BOOM Empregos na construção civil: pedreiros e estucadores ganham MAIS que arquitetos”.

Parece que trabalhadores qualificados da construção civil no Reino Unido estão na frente da linha de pagamento, com arquitetos na retaguarda.

Afinal, por que o campo da arquitetura precisa de um novo modelo de negócios?

Mas os arquitetos que leem esta manchete dos dois lados do Atlântico não ficam surpresos

Em nossa profissão muitas vezes não somos valorizados, perdendo terreno para especialistas e sob o controle de empreiteiros.

———— PUBLICIDADE ————

Muitos arquitetos tem sua própria versão dessas reclamações, mas infelizmente refletem a realidade da proposta essencial de valor da arquitetura como profissão.

Apesar da força relativa da economia atual, os arquitetos ainda recebem menos do que profissionais comparáveis ​​de educação e importação e, criamos valor por meio de sistemas de entrega obsoletos, nos quais a primeira – e muitas vezes mais importante – prioridade do cliente está em obter a menor taxa do arquiteto.

Quando seu preço está impulsionando a seleção, você é uma mercadoria.

Vamos examinar a dinâmica econômica dessa síndrome e, em seguida, gostaria de desafiar os métodos atuais de criação de valor e propor um novo modelo de negócios para arquitetos.

Por que o valor dos serviços de arquitetura é desvalorizado?

Primeiro, algumas noções econômicas: de acordo com as estatísticas, os arquitetos americanos são responsáveis ​​por projetar cerca de US$ 600 bilhões em edifícios por ano, pelos quais recebem aproximadamente US$ 29 bilhões em taxas, ou cerca de 4,8% do valor da construção.

Essas taxas são amplamente pagas como uma mercadoria, principalmente como montantes fixos ou versões de uma taxa fixa (como porcentagem da construção).

Mas o valor real raramente é refletido quando a remuneração é uma mercadoria e isso está prejudicando a economia geral da profissão.

———— PUBLICIDADE ————

Outras profissões tem proposições de valor muito melhores e isso aparece em seus salários.

Existem cerca de 110.000 arquitetos licenciados nos EUA e cerca de 106.000 posições faturáveis ​​em empresas americanas.

Comparado aos 950.000 médicos praticantes e 1,33 milhão de advogados, somos um recurso bastante raro.

No entanto, os salários dos arquitetos estão defasados e isso é deprimente.

A profissão de arquitetura hoje é muito mais enxuta e mesquinha do que seu estado anterior à crise em 2009, provavelmente devido a novas tecnologias.

A receita líquida das empresas americanas se recuperou em grande parte da queda, tendo retornado ao pico de 2008 em 2015.

Mas o pessoal da empresa diminuiu 17%, de 128.000 posições faturáveis ​​em 2008 para apenas 106.000 no final de 2016, o que significa 22.000 menos funcionários fazendo aproximadamente a mesma quantidade de trabalho.

Salários baixos e modestos

Os salários estão mostrando aumentos modestos, mas as porcentagens de taxas provavelmente ficam abaixo dos níveis pré-crise e, como os funcionários não viram aumentos de 17% em seus salários, o ganho de produtividade pode ser ainda maior.

E embora não haja medidas bem compreendidas de produtividade arquitetônica, existe uma forte correlação entre esse salto de produtividade e a adoção de tecnologias avançadas como o BIM em nossa disciplina.

Arquitetos estão vendendo tempo ou resultados?

modelos de negócios para Arquitetos

Estruturas de taxas commoditizadas, pressão salarial e baixas margens de lucro são sintomas de uma doença maior: o valor real que os arquitetos criam não é percebido financeiramente para eles.

Os edifícios são centrais para a própria civilização e são absolutamente necessários, não apenas para a sobrevivência, mas para o progresso.

Como as companhias de seguros nos lembram incansavelmente, projetar coisas é um negócio arriscado, mas o risco de negócio da prática (ficar sem dinheiro) não está correlacionado ao risco de responsabilidade (ser processado), diferentemente do que ocorre em quase todos os outros mercados em que se assumir maior risco significa uma recompensa maior.

Os modelos econômicos para projetar e construir

Estes modelos economicos, como arquitetos e construtores são selecionados e contratados – são quase exclusivamente impulsionados pela obtenção do menor preço, independentemente do resultado desejado.

Resíduos enormes (até 35% dos custos de construção), ineficácia (onde cerca de 30% de todos os projetos perdem orçamentos e cronogramas) e construção ambientalmente irresponsável (resultando em 40 a 50% do carbono contribuindo para a mudança climática) são os resultados. Claramente, há muito espaço para melhorias.

Projetar e construir permanece arriscado, questionável e lucrativo, imprevisível e muitas vezes não muito divertido.

Era uma vez, os contratos no nosso negócio eram acordos de cavalheiros (e, infelizmente, eram todos cavalheiros).

Novos modelos de negócios

Mas, desde então, várias experiências em modelos de entrega de projetos – gestão de construção, construção de projeto, “envolvimento precoce do empreiteiro”, assistência de projeto – tentaram tornar a indústria mais eficaz.

Se “traga o empreiteiro mais cedo!” (gestão da construção), ou “crie uma linha de responsabilidade” (projeto-construção) ou “deixe os construtores fazerem os desenhos de trabalho” (assistência de projeto); cada um deles tentou melhorar os fins sem uma reexame cuidadoso dos meios.

Nenhuma dessas técnicas, apesar do sucesso episódico, melhorou a produtividade, as margens de lucro, os resultados ou mesmo o prazer de trabalhar na própria indústria da construção.

Mas focar exclusivamente na produtividade e na conformidade custo/ cronograma é perder a oportunidade real de mudança, como medir o sucesso da cirurgia, não se o paciente está curado, mas com a rapidez com que o procedimento foi concluído.

Outras maneiras de negócios

Há outra maneira: mudar as propostas de valor da prática do tempo de venda para a criação de resultados para os clientes.

Os modelos de remuneração podem basear-se na entrega de resultados do próprio processo de construção, incluindo o desempenho da construção acabada.

Isso não é apenas pensamento mágico – tecnologias em rápida evolução que combinam o poder computacional da nuvem, a potência representacional dos modelos digitais e os recursos analíticos do software de simulação já estão permitindo que os projetistas prevejam aspectos da construção com mais precisão – estimativa de custos com mais precisão quantitativa, consumo de energia com base no uso, inclusive energia e carbono incorporados.

É apenas uma questão de tempo até que essas tecnologias expandam o alcance preditivo do arquiteto para o comportamento dos ocupantes, aumentando o desempenho do ciclo de vida e até os resultados de uso, como satisfação dos funcionários ou eficiência da equipe.

Usando ferramentas digitais para impulsionar resultados e prática de inovar.

As implicações dessa estratégia são muito mais profundas do que apenas novos contratos e fórmulas de taxas ou ferramentas sofisticadas de simulação digital.

O poder preditivo das novas ferramentas digitais pode ampliar nossas habilidades como designers para resolver complexos “problemas perversos”, como afirma o teórico Horst Rittel e, criar soluções novas, importantes e valiosas para os clientes dispostos a pagar por eles.

Mas modelos de prática, métodos de design e nossa disposição de assumir a responsabilidade pelos resultados de nosso trabalho precisarão de uma reforma radical.

Quais iniciativas podemos ter?

Poderíamos começar com os desafios imediatos de conformidade de custo e cronograma, trabalhando em conjunto com nossos colaboradores construtores para garantir aos clientes que esses objetivos básicos de projeto e construção podem ser alcançados – e devemos ser recompensados ​​quando eles são (e punidos quando não são). )

Estabelecendo credibilidade a partir daí, podemos avançar para objetivos de desempenho de construção, como uso de energia, emissões de carbono e até otimização de custos de manutenção.

Por fim, um sistema de entrega baseado em resultados pode conectar o objetivo de um edifício – escritórios para aumentar a eficácia dos trabalhadores, escolas para ensinar melhor, hospitais que promovem uma cura mais rápida – com a capacidade do arquiteto de atingir esses objetivos.

Essas mudanças no modelo de negócios não podem ser implementadas pelos arquitetos unilateralmente, mas os clientes certamente aceitariam qualquer estratégia do arquiteto.

Exemplos rescentes adotados

Exemplos de taxas baseadas em resultados vêm ganhando força na construção: arquitetos pagos para fornecer aos subcontratados dados digitais em projeto-oferta-construção; condições compartilhadas com base em resultados selecionados nos contratos de CM at Risk; equipes integradas em construção de design; objetivo de lucro baseado em resultados, pago sob a Entrega Integrada de Projetos (IPD).

Os arquitetos capacitados por ferramentas preditivas e simulativas (e, em breve, reforçados pela aprendizagem automática e pelo big data) podem operar com uma agência mais poderosa para criar maior valor para os clientes.

E é aqui que a cultura de inovação atual pode enfrentar os desafios da prática baseada em resultados; a tecnologia pode ser necessária, mas não é suficiente para criar idéias de novo valor, e o potencial da tecnologia não será realizado sem inventividade igual em novos modelos de negócios, abordagens práticas e vontade de experimentar definições de serviços de arquitetura.

Nos últimos anos, observei uma mudança dramática nos interesses de meus estudantes de arquitetura, cada vez mais insatisfeitos com as plataformas, obrigações e recompensas padrão da prática tradicional; eles perderam o entusiasmo pelas empresas de criação.

Eles estão fazendo cursos fora da escola de arquitetura da escola de negócios, alguns até ganhando MBAs para acompanhar seus mestrado em arquitetura.

Eles estão estudando e gerando modelos de negócios inovadores, criando start-ups, ingressando em hackathons e buscando empregos em empresas lideradas por arquitetos que também são empreendedores, pesquisadores, construtores e desenvolvedores.

São boas notícias para a profissão

Uma geração de novos talentos exigindo novas formas de prática, avançando com entusiasmo juvenil e uma feliz ignorância de nosso passado inglório.

O arquiteto e matemático Christopher Alexander uma vez sugeriu que o projeto arquitetônico era a obrigação de criar “uma forma intangível em um contexto indeterminado”.

Certamente isso pode ser verdade nas qualidades sérias e inefáveis ​​de um bom design. Porém, em nossa era moderna, o contexto prático é cada vez mais determinado, e a prática de design baseada em resultados – possibilitada por novas atitudes, modelos de negócios e tecnologia – nos capacitará a fornecer o valor real de ambos.

Você gostou das dicas?
Espero que elas tenham lhe ajudado de alguma forma.
Compartilhe com seus amigos e já aproveite, vendo muitas outras dicas sobre decoração e receitas abaixo:

Veja mais dicas:

Quer mais dicas então confira alguns dos nossos artigos sobre:

Mimos da A Arquiteta para você!

luciana paixao - Parede decorada: Ideias que não podem faltar. Confira.

Em meu portal de treinamento on-line separei para você vários dos meus cursos gratuitos para quem quer aprender a decorar ou até usar programas para criar seus projetos, seja de interiores, de edificações, e-books e muito mais.

Basta clicar aqui e começar a estudar.

Por fim, eu gostaria de conhecer mais sobre você.

Você é um entusiasta decorador, ou até um profissional de Arquitetura?

Clique aqui, responda estas poucas perguntas e ganhe um presente meu que adorará  muito!

Espero que o post tenha lhe ajudado!

Ah! Não esqueça de pegar seu conteúdo gratuito.

Até!

Lilia Vaz
Lilia Vaz
Uma empreendedora apaixonada pelo mundo do Design de Interiores. Redatora sobre Decoração de Interiores, Arquitetura e Viagens, e mãe de família em tempo integral!