Home > Carreira Profissional > O que é Arquitetura?
O que é arquitetura?

A arquitetura é uma paixão, uma vocação, um chamado – assim como também é uma ciência e um negócio. Ela já foi descrita como uma arte social e também uma ciência.

Ela é a arte de construir, que satisfaz a necessidade básica do seu humano que é o abrigo.

A Arquitetura deve ser da mais alta qualidade de design. Ela fornece, nas palavras de Marcus Vitruvius, o grande arquiteto e historiador romano, “firmeza, comodidade e o deleite”. Fornece um sentido de lugar e uma espécie de apoio para todos os tipos de atividade humana.

É uma ferramenta de ajuste feito pelo homem em harmonia com o ambiente, promovendo saúde e bem-estar, enriquecendo vidas esteticamente e espiritualmente, proporcionando oportunidades econômicas e criando um legado que reflete e simboliza cultura e tradições.

No século um AC, o arquiteto Romano Vitruvius criou o  tratado de arquitetura. O trabalho está dividido em 10 livros sobre urbanismo e arquitetura em geral; ele fala sobre materiais de construção, a construção de templos, de edifícios públicos e privados, relógios, hidráulica, motores civis e militares.

Seu trabalho foi usado como um livro clássico dos tempos romanos antigos para o Renascimento. A firmeza refere-se à integridade estrutural e durabilidade; commodity refere-se a funcionalidade espacial ou em outras palavras, “servir a sua finalidade” e cumprir a função para a qual o edifício foi construído; Delícia significa que o edifício não é apenas esteticamente e visualmente agradável, mas também levanta os espíritos e estimula os sentidos.

Existe uma definição muito bacana a respeito de Steven Holl, descrita abaixo.

O que é Arquitetura – Sten Holl

STEVEN HOLL é o arquiteto principal da Steven Holl Arquitetos. Considerado um dos arquitetos mais importantes da América, ele é reconhecido por sua capacidade de misturar espaço e luz com grande sensibilidade contextual e utilizar as qualidades únicas de cada projeto para criar um conceito de design orientado.

Ele se especializou em integrar sem interrupção novos projetos em contextos com particular importância cultural e histórica.

Steven Holl foi reconhecido com os prêmios mais prestigiados da arquitetura, incluindo a medalha de ouro AIA 2012 e é um professor titular na Escola de Graduação da Universidade de Columbia de Arquitetura e Planejamento.

Veja a sua análise sobre o tema, onde ele traduz em uma única expressão:

Do abstrato ao real

Enquanto os artistas trabalham do real ao abstrato, os arquitetos devem trabalhar do abstrato ao real. Enquanto a arte pode legitimar-se como um objeto ou um evento, a arquitetura se dissolve em um emaranhado de edifícios.

 

A arquitetura, sob todas as suas limitações de segurança de engenharia, função, responsabilidade climática e economia, às vezes transcende para inspirar-nos com ideias no espaço e luz-qualidades alcançadas no campo do abstrato.

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY (MIT)

Sobre a usabilidade

Alguns artistas qualificam a diferença entre arquitetura e arte como “usabilidade” versus “a falta de usabilidade”. Vamos a um exemplo: Qual é a “usabilidade”  da música se não para agitar o espírito? Igualmente uma “função” da arquitetura é inspirar uma construção de energia espacial luminosa. Ou seja a sua mais alta ideia de usabilidade é nos mover e pensar profundamente.

Espaço

Os volumes da arquitetura, conectados em um caminho de perspectivas sobrepostas, nos cercam como música. O espaço é “escutado” com um passo à frente, uma torção do corpo, uma inclinação da cabeça.

Uma lavagem de luz dissolvendo em perspectiva joga o corpo para a frente, de primeiro plano para meio terreno e para a frente, como uma visão distante que torna-se o novo primeiro plano. Interior e exterior convergem. Desenhando-nos de um local para o outro… a arquitetura também é a arte do espaço.

Ideia

Uma obra de arquitetura tem uma ideia – uma ligação orgânica entre conceito e forma. Esta ideia é um fio escondido que liga partes diferentes com propósito exato. As peças não podem ser subtraídas ou adicionadas sem alterar propriedades fundamentais. Os fenômenos de espaço, luz, material / detalhamento – como os outros entendem – transmitem a arte, quer a ideia organizadora seja ou não plenamente compreendida.

Outras definições

Encontrei uma série de definições para o que é Boa Arquitetura de vários Arquitetos famosos, seguem algumas delas:

Pier Vittorio Aureli

A boa arquitetura só pode ser definida por falar sobre a sua criação

Ela é boa quando se manifesta ao abrir espaço para outra coisa. A relação com o poder sempre foi uma condição para a realização da arquitetura. Ao invés de tentar tornar a vida melhor, a arquitetura, portanto, tem que se tornar “destrutivo”. A arquitetura é sempre literalmente destrutiva, mas também tem de ser figuradamente destrutiva, não acariciando ilusões sobre si mesma e mostrando isso explicitamente. Só então a arquitetura pode reivindicar o que Walter Benjamin chamou de “caráter destrutivo” e causar uma ruptura libertadora de tudo o que veio antes.

 

Patrick Bouchain

Uma Arquitetura perto de seus habitantes

A qualidade da arquitetura pode ser encontrada na maneira que pode ser apropriada por seus ocupantes. A arquitetura moderna produz formas dominantes que suprimem a expressão individual de seus ocupantes. Ela é boa quando está perto de seus moradores. A legislação fornece uma maneira de atribuir direitos aos usuários de uma propriedade. Esses moradores podem se envolver ativamente. Através de princípios de apropriação, os residentes podem ser encorajados a trabalhar em um ambiente urbano habitável.

 

Lucien Kroll

Arquitetura amigável

O arquiteto Lucien Kroll estabelece um argumento para uma abordagem humana, fundamentada no respeito pelo planeta. Segundo ela, os arquitetos parecem estar presos em uma abordagem mecanizada para a sociedade. As relações entre os habitantes não são facilitadas. Em oposição a esta abordagem “fordista”, Kroll pede uma arquitetura que se empata com as necessidades humanas, que esteja aberta à participação dos residentes e é baseada em métodos de construção de baixa tecnologia. Que consegue restaurar o equilíbrio entre a forma, os valores humanos e uma abordagem sustentável do planeta.  

 

Bob Van Reeth

Boa arquitetura?

A arquitetura implica uma “boa busca”; procurando o que precede um projeto; está a caminho do que tem de ser sublimado e “glorificado” no projeto. A qualidade de um projeto, no entanto, sempre começa com a qualidade do cliente. Bons edifícios são fáceis. O resultado do projeto e da construção não deve ser simples, mas fácil.

Os Arquitetos não resolvem problemas de forma e design, mas problemas de construção, e, portanto, são removidos da aleatoriedade de design. Além disso, a arquitetura é sempre uma tarefa urbana. Há uma grande quantidade de poder e energia de design contido na cidade, e a função real de boa arquitetura é a estruturação da cidade.

 

Outras definições

Quero compartilhar com vocês um texto esclarecedor e muito bem escrito pelo Professor Lindomar, publicado no site da Infoescola (www.infoescola.com) que fala de forma geral sobre O que é Arquitetura:

Desde os primórdios da humanidade as pessoas vêm construindo abrigos, casas e edifícios para diferentes funções em suas vidas, da necessidade de sobrevivência ao prazer de aliar tecnologia, utilidade e beleza numa construção. São aspectos como a “proteção” e “apropriação” de um determinado espaço que se complementam, formando uma espécie de reino da personalidade humana diante do mundo.

É possível pensar na construção de uma casa como sendo a segunda pele de uma pessoa, tal como se diz do vestuário, em relação a função protetora.

Em cada período histórico da nossa civilização a arte de construir foi se moldando aos hábitos e costumes próprios daqueles tempos e espaços, inclusive utilizando como base a matéria-prima disponível, e ainda, projetando sua construção de acordo com o relevo e o clima locais.

Muitos desses trabalhos permanecem erguidos, nos permitindo explorar peculiaridades dos mais diversos povos. Grande parte dos antigos edifícios que permaneceram até hoje são monumentos funerários, templos, teatros e palácios. Neles encontra-se a importância de seus familiares, a grandiosidade de seus deuses, o poder dos seus reis ou o prazer de se produzir arte.

Etimologicamente o termo “arquitetura” vem da junção das palavras gregas “arché”, que significa “primeiro” ou “principal”, e tékton, que possui o significado de “construção”.

De forma ampla é possível definir a arquitetura como sendo uma intervenção no meio ambiente para satisfazer uma determinada expectativa, de forma a criar novos espaços, e com a intenção de se trabalhar com elementos estéticos.

Pode-se também afirmar que a arquitetura é uma forma de arte visual, que pretende criar construções em um determinado espaço. O profissional que cria os projetos das construções é o “arquiteto”.

Atualmente para se produzir um projeto de arquitetura, existe uma série de regulamentações que não pode ser esquecida prioritariamente, mas há pessoas que, ainda hoje, constroem suas casas e/ou local de trabalho sem seguir determinadas formalidades, que na arquitetura é denominado “partido”.

O “partido” é a formalização de uma série de fatos que aponta para as condições e necessidades anteriores à produção arquitetônica.

É preciso determinar a “técnica construtiva” que será utilizada, para decidir quais recursos materiais e humanos serão utilizados, até mesmo se haverá necessidade de uma mão-de-obra mais sofisticada, no caso de produção de um estilo mais rebuscado.

As “condições físicas e topológicas” do local onde será feita a construção, precisam ser estudadas, assim como o “clima” da região. Não se pode deixar de fora do projeto arquitetônico os usos e costumes populares que envolvem os futuros moradores ou empreendedores, desta forma realizando o “programa das necessidades”.

Por fim é essencial tornar o projeto “legal”, amparando-o por legislação específica, normas sociais, e/ou regras de convivências públicas.

Entre os elementos que compõem uma obra de arquitetura os alicerces e as estruturas são componentes fundamentais. O primeiro é formado por grandes pilares cravados no solo e sobre os quais um edifício se apóia, e o segundo, é uma espécie de esqueleto da obra, com seus alicerces, paredes, janelas, tetos, entre outros elementos.

No Brasil temos como ícone da nossa arquitetura Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.

 

Conclusão

De uma forma geral, a minha perspectiva sobre o que é Arquitetura anda em paralelo com as definições dos autores acima. Para mim, ela é um estado de equilíbrio perfeito entre Design e funcionalidade, com um pilar novo nos dias atuais chamado de sustentabilidade.

E quando este equilibro é perfeito, temos toda a questão psicológica como produto ao entrar em um edifício como o bem estar conclusivo deste e em seguida enquanto o percorre, observa todas as questões racionais lógicas que ele deve oferecer de acordo com a sua proposta.