Home > Carreira Profissional > Faculdade de Arquitetura – o que esperar dela?

Faculdade de Arquitetura – o que esperar dela?

Neste artigo você vai compreender o que esperar exatamente de uma faculdade de arquitetura, bem como assuntos essenciais para o mercado de trabalho que você só aprende fora da sala de aula.

Compreenda o que esperar de uma faculdade de arquitetura

A faculdade de arquitetura é o melhor caminho que um indivíduo pode escolher para começar a construir uma carreira profissional, tendo acesso a informações e conceitos técnicos que vão contribuir de forma eficiente para a sua formação.

Não se pode acreditar que se possa ser Arquiteto por ser apaixonado por arquitetura, por dominar um programa técnico ou ferramenta de arquitetura ou simplesmente por se conhecer bastante sobre a área.

Para ser arquiteto é preciso cursar uma faculdade de arquitetura!

Os cursos livres concluídos fora da faculdade de arquitetura complementam o conhecimento que não foi ensinado em sala de aula, mas jamais substituirá a formação dentro do campus da universidade.

A profissão de arquiteto é regulamentada atualmente pelo CAU: Conselho de Arquitetura e Urbanismo. Para exercê-la é obrigatório possuir diploma de bacharel em Arquitetura emitido por curso superior reconhecido pelo MEC e obter o registro profissional no Conselho de Arquitetura e Urbanismo da região onde se atua.

Só se “aprende” a projetar em sala de aula. É na sala de aula que o professor apresenta os primeiros passos das atividades atribuídas ao profissional para o aluno, porém essa jornada profissional é muito mais complexa que as teorias de tudo o que você aprende na sala de aula ou ainda, nas aulas de desenho arquitetônico ou projetos especiais ministrados pelo professor na faculdade.

Faculdade de arquitetura e seu aprendizado

O que a faculdade ensina é só o começo, é só a ponta do iceberg. O dia a dia do Arquiteto é muito mais do que as pranchas de apresentação de um trabalho de TCC ou de desenhar supostos museus, centros culturais, edifícios de múltiplas funções, etc…

Se você acredita que se tornar um Arquiteto é passar por isso e tirar um 10 no seu trabalho de conclusão final vai garantir que você esteja pronto e preparado para o mercado, eu digo pra você: NÃO SE ILUDA! A rotina do profissional habilitado vai muito além das simples atividades desenvolvidas em sala de aula e isso eu garanto a você.

Prospecção de clientes, montar e gerenciar uma equipe qualificada de profissionais e a estruturação do seu negócio como um todo, incluindo as instalações físicas, equipamentos, ferramentas de trabalho, sem falar da abordagem dos aspectos comerciais, contábeis como financeiro/fluxo de caixa, jurídicas e tributárias, são raramente discutidos.

A universidade forma você, mas não integralmente.

Ela trabalha no aluno os conceitos para desenvolver projetos de arquitetura que vão desde uma residência térrea simples de 3 dormitórios até um edifício multifuncional ou um museu com uma arquitetura única e magnifica, mas não te ensina a criar sua metodologia de trabalho de modo que você ingresse no mercado de trabalho de forma segura.

Muito pelo contrário, o aluno, que já não é mais aluno, e sim um profissional júnior que ingressa no mercado de trabalho, ingressa sem ter noções mínimas sobre técnicas mais aprofundadas sobre sua própria profissão, e tão pouco sobre os demais assuntos correlatos a sua carreira como administração de negócios, marketing, e empreendedorismo. Ele sai da sala de aula sem saber o que fazer e por onde começar!

Esse é o cenário que estamos vivenciando nos recém-formados já a algum tempo e foi para evitar que você chegue nesse nível de deficiência que criei cursos que possam complementar o que foi ensinado na faculdade, como por exemplo os cursos de Projetos de Prefeitura e Projetos Executivos.

Meu objetivo é transmitir a você esse conhecimento de forma direta e objetiva de modo que você possa conseguir chegar a seu objetivo em muito menos tempo e sofrimento, comparado a forma despreparada como se sai depois dos 5 anos de faculdade.

Compartilhar e dividir experiências como estas é e sempre será o meu objetivo principal, contribuindo com a nossa categoria e elevando o nível profissional da nossa classe.

Acredite!

Ao final desses cursos você sentirá muito mais confiança na realização do seu sonho de abrir o seu próprio escritório ou ainda de estar de fato mais preparado para enfrentar o mercado de trabalho, bem como fazer parte de uma equipe de profissionais daquelas que nos dão orgulho de trabalhar.

Além de fazer de você um profissional mais completo, tudo que você aprenderá nestes cursos te ajudará escolher com mais clareza um segundo curso superior ou uma especialização, pois você terá base para poder direcionar melhor a sua carreira, sem precisar perder tempo em aprender de forma lenta e casual o que a faculdade devia ter lhe ensinado.

O objetivo deste artigo e do meu trabalho como um todo é conscientizar os alunos e aspirantes a aluno do curso de Arquitetura que a nossa carreira é muito mais complexa do que se imagina ser.

Muito do que as instituições deveriam ensinar passou a ser delegado aos estágios, que por sua vez estão em busca de alunos com um nível de conhecimento que vai além do que o curso de arquitetura pode oferecer, deixando assim uma lacuna de necessidades: aluno-faculdade-empresa.

Se o aluno de arquitetura não percebe as deficiências e as necessidades do mercado de trabalho, ele acabará sendo empurrado de um lado para o outro sem conseguir se inserir na área desejada, pois cada vez exige-se mais dos candidatos nas empresas e aquele que se acomodar com o que o curso de arquitetura tem a oferecer, ficará naturalmente para traz.

Curso de Arquitetura x Grade Curricular

Antes de escolher uma Universidade fique atento a grade curricular que ela adota. A grade vai mostrar qual o direcionamento que a sua formação vai ter e o que você vai precisar buscar “por fora” para complementar deficiências.

O curso de Arquitetura abrange muitas disciplinas que vão desde a área de exatas, humanas e sociais, além de tecnológicas atualmente. Essa complexidade exige do aluno mais tempo de estudo além do que é oferecido pelas faculdades ou universidades de arquitetura em si.

Nos dias de hoje as instituições de meio período fizeram com que as grades curriculares do curso de arquitetura sofressem um encurtamento de conteúdo pela falta de tempo hábil em se aplicar todo o conteúdo necessário ao aprendizado do aluno de tempo integral.

Muitos assuntos não menos importantes foram suprimidos em favor de outros mais necessários para o atendimento da demanda de profissionais no mercado de trabalho.

Tenho observado a real situação dos alunos de arquitetura que estão saindo das salas de aula para o mercado de trabalho e comparado ao que eu aprendi no tempo do curso técnico há quase 20 anos atrás (não estou nem falando do curso superior), posso com toda certeza afirmar que tem muita gente saindo hoje das faculdades de arquitetura sabendo menos do que se sabia há décadas atrás no curso técnico.

Isso é devido a questão da grade curricular de algumas faculdades de arquitetura que têm “enxugado” muitas disciplinas e conteúdo de extrema importância na formação do aluno, deixando uma lacuna que mais tarde fará falta lá na frente. Muitas vezes dá-se prioridade em alguns assuntos em detrimento de outros.

Eu sei que os tempos são outros, muita coisa mudou, mas existem coisas que não mudam radicalmente.

Com objetivo de oferecer mensalidades que “caibam” no bolso dos alunos, que muitas vezes só trabalham para pagar a faculdade, as universidades realizam cortes de investimentos e reduzem custos que comprometem a qualidade do ensino. É o que está sendo chamado atualmente de comércio do ensino do superior.

O aluno investe 5 anos em uma faculdade que ao se formar, não servirá de muita coisa, pois para entrar para o mercado, ele vai precisar de cara fazer muitos cursos complementares ou ainda uma pós-graduação, e o salário será bem inferior o que determina os sindicatos devido ao nível de conhecimento técnico obtido. Isso tudo sem falar na concorrência que está a cada dia mais acirrada, sendo que sempre perde quem sabe menos.

Um verdadeiro círculo vicioso, não é verdade?

Por isso eu digo e repito: não espere pelo o que a faculdade de arquitetura tem a te ensinar. Busque por mais! Pergunte para o seu professor o que mais você poderia estar fazendo, por exemplo, de modo a complementar o que falta na faculdade.

Nessa fase da vida a maioria dos alunos ainda é muito jovem e ao contrário do que alguns possam acreditar, que essa fase de imaturidade pode jogar contra você, eu penso que quando se é jovem, essa fase só tem a colaborar quando o assunto é tempo e disposição. Você tem ao seu favor o frescor da juventude, tire proveito disso e não espere o tempo passar para aprender.

Quando somos jovens temos aquele gás que aos 30 ou 40 já começa a perder força. Nessa fase que se tem melhores condições de realizar mais de uma atividade junto com a faculdade. Sei que não é fácil, mas depois de formado a coisa não melhora.

Por isso, fique atento e prepare-se o quanto antes. Esteja preparado para exercer a sua profissão de forma completa!

Pense nisso e aproveite seu tempo de forma inteligente. Invista em cursos extra curriculares que podem lhe agregar ainda mais conhecimento.

O tempo perdido poderá lhe fazer falta lá na frente.

4 assuntos importantes que você não aprende na Faculdade de Arquitetura

Na faculdade de arquitetura somos inundados por conhecimentos dos mais variados assuntos durante os 5 longos anos que vivemos em sala de aula, mas por mais que você acredite que esse tempo é mais do que suficiente para que os professores transmitam ao aluno todo conhecimento formar um profissional pleno e totalmente apto a desenvolver uma bem-sucedida carreira, saiba que existem outros assuntos não menos importantes que infelizmente você não vai aprender em sala de aula.

Infelizmente não é possível aprendermos tudo durante a faculdade de arquitetura. Não porque os professores ou as faculdades não queiram ensinar, mas sim porque não dá tempo para ser falado ou ensinado tudo o que é necessário no mercado de trabalho de arquitetura.

1 – Programas para Arquitetos

Quem me acompanha sabe que vivo batendo na tecla do busque sempre por conhecimento extra-curricular, aquele que vai além da sala de aula. Os programas para Arquitetos são ferramentas e não substituem a técnica ou dispensam o conceito que aprendemos na faculdade de arquitetura.

Porém, sem eles, principalmente nos dias de hoje, é praticamente impossível conseguirmos desenvolver o nosso trabalho com produtividade e eficiência. Independente de quão razoável ou excelente este seja, os programas são absolutamente necessários em nosso dia a dia.

Desde os pequenos escritórios até as grandes construtoras, sem exceção, trabalham com algum programa de representação gráfica e ou de maquete eletrônica para a apresentação de suas ideias ao cliente. E na faculdade o máximo que você vai conseguir é traçar algumas poucas linhas ou imagens muito primitivas.

Nas aulas de softwares a proporção do número do aluno/professor/carga horária em sala de aula não é compatível com a demanda real dos alunos, deixando-os muitas vezes frustrados por não ter conseguido atingir o conhecimento mínimo para os seus objetivos, pois muitas vezes não conseguem tirar tosas as dúvidas com o professor que está sempre ocupado com outro colega com dificuldades ainda maiores

Como tenho contato com alunos de todo o país, existem faculdades de arquitetura que ainda nem possuem aulas de AutoCAD, enquanto que em outras raras exceções já estão iniciando com conhecimento em Revit ou BIM. Mas isso infelizmente isso é o máximo que você vai encontrar por aí.

Outros programas como Photoshop, Vray, Lumion, 3DSMax ou Sketchup, entre outros, que são os programas mais comuns na vida cotidiana do aluno e do profissional, você vai conhecer só de ouvir falar em um momento ou outro das aulas, pois infelizmente elas não fazem parte da grade curricular.

Um curso com uma extensa grade implica em mais professores, mais estrutura e consequentemente mais custos para a faculdade de arquitetura, assim como para o aluno.

Sem conhecimentos nestes programas, a vida do aluno e do profissional tende a se complicar ainda mais, pois outras necessidades além destas estão à espera de assim que colocamos o pé para fora da faculdade de arquitetura.

2 – A Prática Profissional

A faculdade de Arquitetura conforme já mencionei outras vezes, é uma carreira que abrange 2 disciplinas concomitantemente. Na parte de humanas teremos  muita teoria e bastante conhecimento em história da Arquitetura, da arte, por exemplo. São conhecimentos teóricos que vão lhe ajudar no conceitual, no referencial e na técnica no que se refere a sua formação como um todo. Porém como ela é de caráter interno a sala de aula, mesmo com as visitas técnicas, no momento que saímos para o mercado de trabalho, não sabemos como colocar em prática tudo o que aprendemos.

Os estágios são ótimas oportunidades de crescimento e amadurecimento profissional pois é nele que vamos adquirindo as práticas profissionais com os assuntos que tecnicamente deveriam ter sido abordados em sala de aula: Legislação, trato com o cliente, aprovação de projetos e muitos outros temas só entram para a nossa vida profissional quando vivenciamos na prática o que acontece no mercado de trabalho.

Por isso busque por estágios de qualidade!

Aqueles assistidos por profissionais atuantes no mercado onde o conhecimento técnico de práticas profissionais possa lhe agregar experiência. E use de muita observação com o modo como os colegas mais experientes tratam e agem com o cliente nas mais diversas situações.

A prática só se aprende na prática, com trocas de experiências e isso a faculdade não vai lhe ensinar. Com muito esforço e trabalho em alguns anos o profissional recém-formado vai consequentemente adquirindo a confiança que só vem com a experiência e poderá avançar mais um de grau rumo a plenitude da profissão.

[Group AdRotate = “3”]

3 – O marketing pessoal e o de serviços

Por mais que tenhamos todas as qualidades, virtudes e competências de um ótimo profissional de arquitetura com um futuro brilhante pela frente, se não tivermos conhecimento das técnicas de como expor a competência do nosso trabalho ao mundo, estaremos desperdiçando todo o nosso esforço realizado até então.

E a faculdade vai deixar a desejar nesse assunto mais uma vez, pois o tema é de certa forma complexo o suficiente para não ser abordado nem em seu conceito básico.

Buscar por livros sobre o assunto é ainda muito pouco para que possamos trabalhar o assunto com eficiência. Cursos ou consultorias como coaching profissional é uma alternativa muito positiva que pode ajudar a todos que estão desorientados no rumo a ser seguido na carreira profissional.

Muitas vezes um cliente está em busca de um profissional pela sua experiência, seu portfólio, mas a empatia e o carisma pessoal também podem conquistar o cliente mais do que uma boa vitrine de serviços.

Estude marketing de serviços e pessoal. Vender seus serviços profissionais é uma técnica e uma arte que a faculdade não vai lhe ensinar!

4 – Administração de Empresas e Gestão de Negócios

A partir do momento que tomamos a decisão de trabalharmos por conta própria, abrindo nosso escritório de arquitetura, é importante que antes tenhamos conhecimentos em Administração de Empresas.  E como nos itens anteriores a faculdade também deixa a desejar quando o assunto é gestão de negócios.

Um escritório com funcionários é uma empresa e como tal demandará por conhecimentos empresarias que a faculdade nem se quer avisa que você precisará ter como orientações sobre tributação do governo, o que diz a legislação, serviços de contabilidade, consultoria legal e assuntos onde são necessários conhecimentos mínimos obrigatórios para quem desejam empreender na área. Capital de giro, estrutura física, parcerias, instalações e principalmente o perfil do profissional em si devem ser discutidos antes de se tomar uma decisão. Esses são só alguns itens e a faculdade de arquitetura não vai lhe ensinar como abrir a sua empresa.

Por isso Arquitetura é mais do que parece ser. Infelizmente não aprendemos isso na faculdade.

Ao sair da faculdade as portas não se abrem automaticamente, o trabalho está só começando. Não podemos nos iludir acreditando que com um curso livre aqui, um bom estágio ali, uma pós-graduação acolá já vão fazer de nós um profissional completo e preparado para o que der e vier.

A faculdade de arquitetura faz a parte dela e nós temos que fazer a nossa em complementar o ensino de todas as formas possíveis. Por isso a importância de se estar ligado nas exigências e tendências de mercado para que não caíamos na ilusão de que sempre estamos prontos e na condição ideal de trabalho, e de que tudo é simples e fácil. Isso não existe!

O mercado de trabalho é um organismo vivo e está sempre em evolução. Quem não acompanhar as demandas será colocado de lado naturalmente.

Espero que tenham gostado do texto sobre os assuntos importantes que as faculdades de Arquitetura não ensinam.

Você também pode gostar de
Como projetar dormitórios adaptados para Idosos
10-etapas-de-uma-obra
Conheça as 10 Etapas de uma Obra
Como Calcular Consumo de Pisos e Azulejos
vida-profissional-do-arquiteto
Dúvidas sobre a carreira de arquitetura

11 Respostas

  1. Vilson

    Gostaria de parabenlizá-la por tudo que disse, sou Eng civil, porém atuo também em projetos de residencias; e estou aprendendo o 3dmax, por enquanto sozinho; já pude apresentar ao cliente uma maquete eletronica que ficou legal…

    Grato!

  2. Raquel

    Parabéns pelo artigo, estou no 9ᴼ período de Arquitetura e Urbanismo, e vejo que realmente a faculdade deixa a desejar, mas creio que na medida que procuramos evoluir em nossa área, as questões em dificuldade se tornam mais claras, trazendo sentido sobre o que aprendemos em sala de aula. Obrigada.

  3. Luciana Gostei muito da materia e isso ajudara muito em minha jornada, deseje a voce todo sucesso do mundo e que suas atitudes não mude pois assim que se faz um excelente profissional, pois o melhor não é o que faz e sim aquele que compartilha…. que deus te abençoe…

  4. Diva Alencar

    Parabéns pelo artigo! Sou Engenheira Civil e infelizmente também não aprendi esses assuntos na faculdade de engenharia. São tópicos importantíssimos para o nosso desenvolvimento profissional! Obrigada!!

Deixe um Comentário